Noronha já foi moradia para dois gigantes

No imaginário mítico de Fernando de Noronha, muitas histórias são contadas para explicar o surgimento da ilha e sua natureza. Um dos enredos mais famosos relatados pelos moradores e historiadores da ilha é a “Lenda do Pecado”. Conta a estória que há muitos e muitos anos, Noronha foi moradia de gigantescos habitantes, dentre os quais, um casal foi condenado a ter seus órgãos petrificados caso levassem a frente o relacionamento. Sabe aquela moral da história romântica onde o amor está acima de tudo? Foi isso que aconteceu!

Os dois se apaixonaram e sofreram a consequência da condenação da lenda do pecado: tiveram decepados seus órgãos genitais e estes foram petrificados e expostos até hoje à vista de todos os ilhéus e visitantes. “[...] os seios da mulher foram extirpados e colocados em uma praia [Cacimba do Padre] e o falo do pecador exposto no ponto mais alto da ilha [Morro do Pico]", conta o jornalista Waldemir Maia Leite em um texto publicado no Jornal Diário de Pernambuco em 20.10.1985. (Os termos falo e fálus (do grego phallós, através do latim phallus), usualmente, remetem à simbologia dada às representações da imagem de um pênis ereto.)

Ficou curioso? Pois é, esta é uma das lendas de grande impacto entre os visitantes porque realmente, o Morro do Pico e o Rochedo Dois Irmãos (Morro Dois Irmãos) são os dois cartões postais mais famosos da ilha, além de possuir uma grande semelhança com os objetos referenciados na lenda. 

O curioso é a permanência do fator lúdico nesta lenda. Hoje em dia o Pico assumiu a narrativa da virilidade masculina e os morros, ganharam o nome de “os seios de Fafá de Belém”, nome de uma famosa cantora brasileira que possui grandes seios. Por isso, é muito comum ouvir entre os moradores da ilha alguma brincadeira que faça referência a esta lenda.    
(Rochedos Dois Irmãos - praias do Bode e Cacimba do Padre)

(Morro do Pico - Praia da Conceição)

Você pode gostar também

0 comentários

Passeios, hospedagens e viagem!